Ortopedista ou reumatologista: como saber a qual especialista ir?

ortopedista ou reumatologista

Você sabe quando é preciso procurar um ortopedista ou reumatologista? Nem todos sabem ao certo qual especialidade buscar quando surge um problema de saúde. Por esse motivo, no post de hoje, vamos esclarecer quais as atividades exercidas por estes respectivos profissionais, e quando é o momento para procurar sua assistência.

Continue a leitura para entender se é preciso buscar um ortopedista ou reumatologista!

Ortopedista ou reumatologista: qual a diferença?

Apesar de terem suas próprias áreas médicas, muitas vezes esses campos de atuação acabam se sobrepondo. Por esse motivo, no momento de procurar tais médicos com especialidades diferentes, o paciente apresenta dúvidas sobre qual profissional deve buscar.

Ortopedista ou reumatologista: como saber quando procurar o certo? Veja a seguir.

O que é um reumatologista?

O reumatologista é o especialista da clínica médica que estuda as doenças de origem não traumática que causam dores musculoesqueléticas. Isso quer dizer que ele trata as dores nas articulações, nos músculos e ossos, desde que que não tenham sido causadas em virtude de batidas, quedas e torções. Esse profissional também atua na prevenção e no tratamento de doenças do metabolismo ósseo, como a osteoporose.

Embora os sintomas das doenças reumatológicas se manifestem com maior frequência no sistema musculoesquelético, as dores podem ser apenas um indicativo de patologias que acometem outros órgãos, como os pulmões. Por esse motivo, o reumatologista tem uma formação bastante completa e complexa que permite que ele adquira conhecimento dos demais sistemas do corpo humano.

Sobre essa área médica, é importante ressaltar que as dores crônicas podem prejudicar a funcionalidade, limitando – e muito – a vida ativa da população. É importante ressaltar que algumas doenças sistêmicas inflamatórias, quando não diagnosticadas e tratadas precocemente, podem levar à morte do paciente.

Embora as doenças ósseas, como a osteoporose, sejam as mais lembradas, as doenças autoimunes, como a artrite reumatoide e as patologias degenerativas articulares, como a artrose, também fazem parte do leque de problemas de saúde que o médico se dedica a tratar.

O papel desse especialista, no entanto, não é unicamente diagnosticar. O gerenciamento clínico e o tratamento das articulações, dos ossos, músculos e órgãos internos também é feito por ele.

É importante frisar que o médico reumatologista atua em parceria com outros profissionais da saúde para promover um tratamento mais completo aos seus pacientes. 

Além disso, atua na educação dos enfermos e familiares, provendo valiosas informações sobre como conviver com uma doença reumática crônica e ter mais qualidade de vida. Esse cuidado inclui técnicas de prevenção de incapacidade, uso de medicamentos, dicas para recuperação de funções e para preservar o bem-estar do indivíduo na comunidade na qual ele está inserido.

Quais são as doenças mais comuns tratadas pela reumatologia?

O reumatologista trata as patologias que acometem o sistema musculoesquelético e que também podem resultar em comprometimento sistêmico. Existem muitas doenças classificadas como reumatismo. 

Dentre elas, as mais comuns são as dores articulares, lombalgia, artrose, fibromialgia, lúpus, gota e artrite reumatoide. Essas patologias podem ser de origem não traumática, de causa inflamatória, autoimune, metabólicas ou degenerativas. Todas elas com uma característica em comum: dor nas juntas e articulações. A seguir, você vai conhecer as principais doenças desses grupos que são tratadas pelo reumatologista.

Artrite reumatoide

Estima-se que quase 2 milhões de brasileiros sofram com a artrite reumatoide. Essa doença inflamatória crônica gera impactos em diferentes articulações do corpo, manifestando-se na maior parte do tempo em mulheres com idades avançadas. 

As causas da artrite reumatoide ainda não são motivo de consenso dentro da comunidade médica, e seus sintomas são caracterizados pela rigidez que aparece no período da manhã, dores em articulações, vermelhidão, edemas e fadiga. 

O tratamento medicamentoso deve estar adequado conforme o estágio em que a doença se encontra, sendo mais intenso em concordância com as condições agressivas que a doença apresentar. Entre as alternativas para lidar com as dores e problemas causados pela artrite reumatoide, a fisioterapia garante ao indivíduo uma melhor qualidade de vida e produtividade. Além disso, alguns casos extremos podem ser cirúrgicos.

Tendinites

Também tratada pelo reumatologista, a tendinite é uma inflamação ou irritação que ocorre em tendões. Com sintomas característicos como rigidez na região, inchaço local e dor, a tendinite é uma condição temporária, contudo, pode se tornar crônica.

Sua causa mais frequente está associada à manifestação de problemas associados ao mau condicionamento físico, uso do membro em posição inadequada por período prolongado, e problema postural. Seu tratamento tem como recomendação repouso articular, uso de talas, medicamentos para redução de dor e controle de sintomas, e reabilitação física.

Fibromialgia

A fibromialgia é uma doença crônica caracterizada por dores musculares de forma generalizada, que não manifesta evidência de inflamação em áreas de dor, mas causa distúrbios do novo, cansaço, problemas de humor e ansiedade. 

Comum entre pacientes que buscam assistência em clínicas reumatológicas, estima-se que 2,5% da população no Brasil sofra com a fibromialgia, problema que impacta de forma significativa a vida do portador, tornando-o sensível ao mais leve dos toques.

Diferente de outras doenças reumatológicas, não causa deformidades, e seu tratamento envolve mudança na rotina com exercícios físicos, boa alimentação, e alternativas como alongamento e meditação. Os medicamentos utilizados para a fibromialgia geralmente são antidepressivos e aqueles para controle da dor crônica. 

Artrite idiopática juvenil

A artrite idiopática juvenil é uma inflamação crônica que atinge articulações e órgãos como olhos, pele e coração. As manifestações clínicas que a doença tem como característica são dores, elevação de temperatura de uma ou mais articulações, e artrite.

ortopedista ou reumatologista

Com início tardio, a dor nas crianças afetadas pela artrite idiopática infantil costuma ser branda, causando grande desconforto. Seu tratamento inclui educação de paciente e familiares sobre a doença, bem como controle das dores e inflamação por meio de medicamentos prescritos por um reumatologista. 

Além disso, a fisioterapia é uma alternativa essencial para lidar com esse problema, proporcionando ao jovem a melhora da autoestima, assim como sessões de atendimento psicológico, recurso indispensável em seu tratamento.

Lombalgia

Caracterizada por dor na região lombar inferior, ou seja, parte baixa das costas, a lombalgia é um problema reumático comum, uma das doenças que mais afastam trabalhadores de seus postos, conforme informação da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT).

Seu tratamento consiste em formas de ajudar no alívio da dor do paciente, dessa maneira, diversos medicamentos podem ser indicados pelo especialista, além da reabilitação que inclui práticas como alongamento e fortalecimento de músculos.

ortopedista ou reumatologista

Artrose

A artrose é uma condição também conhecida como osteoartrite ou osteoartrose. É decorrente ao desgaste da cartilagem responsável pelo revestimento das articulações, processo natural do corpo que ocorre com o envelhecimento. Ao iniciar os sintomas, que em sua maioria incluem dor, calor e vermelhidão nas áreas afetadas, passa-se a ser considerada uma doença chamada artrite. 

O desgaste articular ocorrido na artrose é classificado como reumatismo e, considera-se que todas as pessoas a terão em algum nível da vida. Isso porque, as células da cartilagem afetadas, não se regeneram, ou seja, quando destruídas, não pode haver uma substituição.

Pessoas que se submetem a maiores esforços das articulações, como atletas profissionais ou indivíduos que sofreram traumas, podem desenvolver a condição de forma precoce. Além disso, fatores genéticos estão envolvidos. 

O tratamento consistente para o controle dos sintomas envolve medicamentos e o retardamento do processo de desgaste articular por meio de outras medidas, como fortalecimento muscular, perda de peso e acupuntura.

ortopedista ou reumatologista

Osteoporose

A osteoporose é outra das doenças tratadas pelo reumatologista. Envolvendo o enfraquecimento da massa óssea, ela ocorre quando há o desgaste ósseo excessivo, quando o osso não se forma de maneira correta, ou quando os dois processos acontecem de forma simultânea. 

Com o desequilíbrio entre a quantidade de material ósseo formado e reabsorvido pelo corpo, o enfraquecimento da osteoporose aumenta o risco para fraturas em ossos da coluna, pernas, quadris e outras regiões.

Problemas causados na estrutura da coluna podem levar a redução da estatura do paciente que sofre com osteoporose, além de dores crônicas. Contudo, os problemas que afetam os ossos do quadril são mais graves, e podem prejudicar a mobilidade física e atrapalhar o desenvolvimento de tarefas no dia a dia. Alguns dos fatores de risco para o desenvolvimento da doença são:

O tratamento inicia-se com o ajuste da dieta e suplementação de cálcio e vitamina D. Podem ser utilizados medicamentos que impedem a degeneração e estimulam a reconstrução óssea. 

Gota

A doença chamada como gota é uma forma de artrite causada pelo depósito de cristais de sódio nas articulações. Isso acontece devido o aumento dos níveis de ácido úrico, substância formada pelo organismo após a ingestão de proteínas, e pode ser causado pelos seguintes fatores:

  • alta produção de ácido úrico devido a algum defeito nas enzimas, não permitindo que os rins façam sua eliminação por completo;
  • o uso de medicamentos diuréticos que podem ocasionar a diminuição da excreção renal de ácido úrico;
  • ausência congênita (de nascimento) do mecanismo enzimático responsável pela eliminação do ácido úrico.

Os sinais iniciais são de inchaço e dor intensa em alguma articulação isolada, normalmente começando pelos pés. Seus sintomas aparecem em crises que podem ter duração entre 3 a 10 dias. Após esse período, a pessoa pode voltar a viver normalmente, até que uma nova crise ocorra em alguns meses ou anos, acometendo as mesmas ou outras articulações.

O ideal é procurar por um reumatologista para iniciar o tratamento, constituído por medicamentos que reduzem a concentração do ácido úrico no sangue associado a mudanças no estilo de vida do paciente, como perda de peso, redução do consumo de bebida alcoólica e exercícios físicos.

Lúpus eritematoso sistêmico (LES)

O lúpus é uma doença inflamatória crônica e de origem autoimune que pode ser cutânea, acometendo a pele, ou sistêmica, afetando outros órgãos internos. Entre eles, os mais comumente envolvidos são rins, pulmões, articulações e sistema nervoso.

Para casos de lúpus sistêmico, os sintomas podem variar muito, incluindo manchas na pele, febre, dores articulares, rigidez matinal nas articulações, perda de cabelo, fadiga generalizada, dores abdominais, dor ao respirar, formigamento, dormência, e outros.

A doença pode acontecer em pessoas de qualquer idade ou gênero, e sua causa não é exatamente definida, contudo, há relação com fatores genéticos, hormonais e ambientais. O tratamento é realizado pelo reumatologista e consiste no uso de corticosteroides, anticoagulantes e imunossupressores.

Esclerodermia

Também conhecida como esclerose, a esclerodermia é uma doença inflamatória crônica do tecido conjuntivo relacionada a fatores autoimunes. É responsável por causar o endurecimento da pele e tecidos. 

Pode ser sistêmica, afetando a pele e sistemas internos, ou localizada, atingindo apenas a região de derme do indivíduo. Em áreas afetadas, a pele torna-se espessa, escura e brilhante. Seus principais sintomas incluem:

  • contrações de vasos sanguíneos em mãos e pés, tornando-os frios, pálidos, arroxeados e inchados, chamado fenômeno de Raynaud;
  • feridas nas pontas dos dedos;
  • dor e rigidez em articulações;
  • perturbações gástricas, cardiovasculares e respiratórias, relacionadas à formação de tecido fibroso e cicatricial em vasos sanguíneos que irrigam os órgãos.

Seu tratamento é focado em controlar os sinais e sintomas de inflamação com medicamentos anti-inflamatórios, aliviando-os, além de medidas de suporte como medicamentos locais e fisioterapia.

Bursite

A bursite é a inflamação da bursa ou bolsa sinovial, estrutura que contém líquido e se localiza entre o tendão e a pele ou entre o tendão e o osso. Sua função é amortecer, auxiliando no deslizamento dos tecidos e também sua nutrição. A doença pode ser aguda ou crônica, variando entre alguns tipos.

O tratamento de bursite envolve, basicamente, algumas medidas sugeridas por médicos especialistas. Entre elas está o repouso, aplicação de gelo no local da inflamação e uso de remédios analgésicos para aliviar a dor. 

De acordo com o quadro do paciente, essas medidas podem ser suficientes no tratamento para bursite. Contudo, quando não se mostram suficientes para melhorar o quadro e tratar os sintomas, o médico pode oferecer outras soluções, como:

  • Terapia medicamentosa: se a inflamação for causada por infecção, o profissional deverá prescrever antibióticos para o uso.
  • Terapia: o médico pode recomendar sessões de fisioterapia ou exercícios para o fortalecimento dos músculos na área afetada, ajudando a aliviar a dor e prevenir a reincidência da bursite.
  • Infusões medicinais: o especialista também pode realizar infusões medicinais na região da bursa afetada, de modo a reduzir a inflamação, aliviar a dor de forma rápida e tratar o problema.
  • Punção: realizada para o esvaziamento do conteúdo líquido inflamatório ou traumático na bursa.
  • Cirurgia: essa alternativa é realizada em último caso, quando a bursa inflamada não apresenta melhora com tratamento conservador.

Quando procurar um reumatologista

Para aqueles que sofrem de dores e não conseguem identificar suas causas, muitas vezes é difícil saber qual especialista buscar. Contudo, diferente dos sinais e sintomas que levam o indivíduo a procurar outros especialistas, o reumatologista deve ser solicitado quando o paciente apresentar:

  • rigidez matinal em articulações, em especial no período após acordar;
  • vermelhidão, inchaço e calor nas articulações;
  • dores musculares sem causa aparente;
  • dificuldades de movimentação de punho, dedos, ombros, cotovelos, joelhos, tornozelos, quadril, e outros.

O que faz um ortopedista

O médico especializado em ortopedia é responsável pelo diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças e deformidades que sejam de origem anatômica e fisiológica, afetando o sistema locomotor como ossos, músculos, articulações, ligamentos e tendões.

No entanto, sendo no Brasil a ortopedia especialidades unificadas, o especialista em ortopedia também trata-se de um traumatologista. Assim, também é capacitado para tratar lesões adquiridas, como aquelas que causadas por acidentes, impactos, traumas, quedas e pancadas. 

Dessa forma, o ortopedista, assim como o reumatologista, realiza consultas, exame clínico, solicita exames (de sangue e imagem), indica tratamentos, como sessões fisioterapêuticas, e prescreve medicamentos para a terapia. As principais condições tratadas por profissionais da ortopedia, são:

  • deformidades causadas por doenças crônicas, como a artrose e artrite;
  • deformidades ósseas;
  • desvios de coluna, escoliose, cifose e lordose;
  • bursites e tendinites;
  • hérnias de disco;
  • lesões esportivas;
  • lesões musculares;
  • fraturas, torções e luxações em locais como cotovelo, punho, mão, quadril, pé, tornozelo, joelho;
  • problemas articulares.

Quando procurar um ortopedista

Para que o paciente não tenha dúvidas na hora de procurar o especialista correto, fique atento aos sinais a seguir, que indicam quando um ortopedista é o médico ideal para diagnosticar e tratar as seguintes questões:

  • dores musculares;
  • dores na coluna;
  • deformidades visíveis em articulações ou ossos;
  • dores intensas ao movimentar uma ou mais partes do corpo;
  • fraturas;
  • inchaços em regiões específicas;
  • desenvolvimento de joanetes;
  • problemas de postura;
  • pés tortos no nascimento (pé torto congênito).

No artigo de hoje você pôde compreender melhor qual o momento de buscar o especialista correto, sem precisar ter dúvidas entre o ortopedista ou reumatologista. Ainda que ambos profissionais exerçam suas funções de forma associada, devido a necessidades de tratamento de algumas doenças e condições, cada um é indicado para diferentes áreas, complementando o trabalho do outro.

Que tal procurar o profissional adequado para sua saúde? Agende sua consulta com a Clínica Croce e conheça os diferentes serviços especializados que estão disponíveis. Por meio da telemedicina é possível ser atendido de qualquer lugar do Brasil, sem a necessidade de estar em São Paulo, cidade sede da clínica!